sexta-feira, 7 de setembro de 2012

Lançamento do meu livro A QUEDA DA BASTILHA e crítica de minha obra por Majela Colares



Bom dia gente!!!

 Em primeiro lugar, desculpem a ausência... Ando com pouco tempo pra postar.

 Em segundo lugar, hoje tem 

                                                     NOVIDADE!!!

 Vou lançar dia 2 de novembro, a partir das 20h, no estande da livraria Terceiro Mundo na Feira do Livro de Porto Alegre - RS meu livro de poemas A QUEDA DA BASTILHA, pela editora Confraria do Vento - Rio. Além do meu livro, serão lançados os livros MEMÓRIA LÍQUIDA - Majela Colares, DEUS EX MACHINA - Victor Paes, A ESTRADA QUE NÃO SABE DE NADA - Ana Flávia Baldisserotto e Maria Helena Bernardes e DERIVA DE SENTIDOS. 

Estão todos convidados!!! São 40 poemas e prosas poéticas escritos por mim durante um longo período. O livro conta com orelha do poeta e contista Majela Colares e prefácio do artista plástico e escritor Roberto Schmitt-Prym. 

Conheçam mais da minha obra poética no Jornal de Poesia e na minha página no Facebook.


 Posto aqui a crítica literária que o poeta e contista Majela Colares fez sobre minha obra:


 LEILA KRÜGER:
 UM LÍRIO RUMO AO SOL POENTE
Majela Colares



Esta poetisa e romancista de descendência tcheco-alemã, nascida no Noroeste do Rio Grande do Sul, na  cidade de Ijuí, chega às livrarias brasileiras e se faz presente, com muita dignidade, conduzindo em seu alforje o romance de estreia intitulado “Reencontro”,  2011, Ed. Novo Século, São Paulo, com a plena consciência  de que veio para ficar.

Trabalhando uma linguagem essencialmente moderna e um estilo de difícil confecção  – a prosa poética  –   Leila Krüger  esbanja  segurança e criatividade na elaboração de sua trama consistente e jovial. É sem dúvida o conteúdo de “Reencontro” uma sedutora leitura; uma  envolvente viagem.

Sua estreia foi no romance, mas poderia ter sido na poesia, no conto ou na novela, percebendo-se aí, com essas credencias, a imaginação criativa e imaginosa da jovem escritora dos Pampas.

Com poemas, contos e prosa-poética publicados em vários jornais, revistas (quer impressos ou virtuais), sites, blogs e antologias, Brasil afora, o talento da gaúcha de Ijuí começa a ser descoberto e a se destacar no território literário brasileiro.

O Jornal de Poesia, sob o comando do polivalente e irrequieto  poeta e escritor Soares Feitosa fora o primeiro a publicar poemas da  promissora poetisa e romancista nascida na terra de Mario Quintana e Érico Veríssimo. Expôs em suas páginas uma seleção de poemas da recém chegada Leila Krüger.

Os poemas de L.K apresentam uma linguagem visivelmente moderna, revelando à primeira vista um lirismo encantador e atraente. No entanto, ao se fazer uma leitura mais apurada, percebe-se de imediato o teor realista e reflexivo de uma poética desacomodada e questionadora, na qual os sentimentos mais inquietantes do espírito humano são tratados com delicadeza e sofisticada racionalidade.

Nos poemas de Leila Krüger, tudo é pura  inquietude proveniente da  imaginosa e burilante criatividade da poetisa e de um coração sempre em busca das ilimitações do homem.

Explorando de inúmeras formas o verso livre, a anatomia poética de L.K revela poemas embasados em uma linguagem notadamente fragmentária, no entanto vazados em versos discretamente interligados e entranhados, em suas entrelinhas, por um silêncio poético irradiante, refletido em uma metafísica que beira os limites da  vulnerabilidade e incredulidade humanas. Vejamos o poema “Longe”, como referência:

Mas se eu tiver que ser sozinha, serei inteira
serei plácida, como o lago que espera a chuva
como a chuva que busca a manhã.

E se eu tiver que ser escura, serei grandiloquente
                              se tácita, valente
se árida, compreensiva, ao menos
se ainda assim severa... então liberta.

E se me perder de tudo e até do fim...
possivelmente eu serei nova
como o verão, no céu de janeiro
como janeiro, no céu de Paris!
                            Seja lá onde for Paris...       

Hoje, em qualquer lugar, longe daqui. Longe, longe...

A seleção de textos publicada nas páginas poéticas do JP, é, sem dúvida, o embrião de seu livro de estreia na poesia, que não demorará a vir à público, com certeza, ainda no decorrer de 2012, embora sem data prevista.

                                      Majela Colares, poeta e contista.



MAJELA COLARES, poeta e contista; nasceu em Limoeiro do Norte, em julho de 1964. Lançou os seguintes livros... POESIA: Confissão de Dívida, 1993; Outono de Pedra, 1994; O Soldador de Palavras, 1997; A Linha Extrema, 1999; Confissão de Dívida e Outros Poemas, 2001; O Silêncio no Aquário / Die Stille im Aquárium, 2004, edição bilíngue português/alemão; Quadrante Lunar, 2005; As Cores do Tempo, 2007, 1ª ed – 2009, 2ª ed., e Memória Líquida, 2012. CONTOS: O Fantasma de Samoa, 2005. Reside em Recife desde 1992. Sobre sua poesia, afirma o crítico literário Fernando Py: "Majela Colares é atualmente um dos melhores nomes da poesia brasileira."

5 comentários:

  1. Parabéns Leila! Que notícia ótima!
    Muito sucesso com teu livro de poemas e assim que tiver os links de onde eu possa comprar, avisa! Quero muito ler tuas poesias.
    Beijo e boa sorte

    ResponderExcluir
  2. Com certeza colocarei os links de onde comprar Ana Paula! Brigada pela força!
    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Passei lá no Jornal de Poesia e me encantei. Sou espera agora!
    Bj

    ResponderExcluir
  4. Hola!! Buenos días Seguiré visitándote escribes muy bien

    Que tengas un feliz día

    ResponderExcluir
  5. Oi Leila. Parabéns pelo lançamento do livro. Gostei muito de tudo o que li. Que lindo o teu poema "longe", um estilo forte, métrica, tudo. Divulga como podemos adquirir teu livro. Um grande abraço

    ResponderExcluir